Gonçalo M. Tavares

                                                        Manuel Alvarez Bravo


Gonçalo M. Tavares

Short Movies

O Táxi

Uma mulher levanta o braço. Está no passeio. Não tem pressa, mas levanta o braço e acena com a mão. O táxi não pára.
A mulher veste calças elegantes, castanhas. Tem um lenço ao pescoço.
De novo, vemos a sua mão levantada a acenar. Outro táxi que não pára.
A mulher está sorrir. É bonita. Levanta o braço de novo. Estamos sempre a vê-la, a ver o seu entusiasmo sorridente. Mas não, de novo o táxi não pára. Também vazio, mas não pára.
O plano agora abre-se mais. Vemos a mulher, sim, as suas calças elegantes castanhas. E, junto aos seu pés, um corpo inerte; provavelmente morto.


O lixo

No lixo, procuram-se alimentos,
A mãe tem a ajuda da pequena filha.
Encontram um rádio e ficam contentes. E quem passa não percebe. Procuravam comida e aquilo, o que elas encontraram, não se come.
Mas o certo é que, como se levassem um banquete escondido debaixo da roupa, a mãe e a menina fugiram dali, muito rápido.


Aprender

Uma criança que ainda não sabe escrever diz que odeia os pais.
E quer escrever isso no papel: que odeia os pais.
Sabe algumas letras, mas ainda não sabe escrever. Pergunta à mãe como se escreve o nome dela e o do pai. A mãe diz-lhe, soletra, explica. Depois o menino pergunta como se escreve odeio-vos. A mãe hesita, mas depois soletra, explica, ajuda a desenhar as letras.

O cavalo

Um cavalo parado; presa a ele uma carroça parada. Na carroça, dois corpos com uma corda ao pescoço e mão amarradas atrás das costas. Estão mortos.
Voltamos ao cavalo. Está parado. Aguarda qualquer coisa. Uma ordem, talvez. Mas o cavalo não percebe nada. É muito estúpido.


Shorts Movies


El Taxi

Una mujer levanta el brazo. Está en la banqueta. No tiene prisa, mas levanta el brazo u hace una señal con la mano. El taxi no se detiene.
La mujer viste pantalones elegantes, cafés. Tienen una mascada en el cuello.
De nuevo vemos su mano levantada a señalar. Otro taxi que no se detiene.
La mujer sonríe. Es bonita. Levanta el brazo de nuevo. Estamos siempre a verla, a mirar su entusiasmo sonriente. Pero no, de nuevo el taxi no se detiene. También va vacío, pero no se detiene.
El plano se abre más ahora. Sí, vemos a la mujer, sus elegantes pantalones cafés. Y, junto a sus pies, un cuerpo inerte; probablemente muerto.



La basura

En la basura se buscan alimentos.
La mamá tiene ayuda de su pequeña hija.
Encuentran un radio y quedan contentas.  Quien pasa no se da cuenta. Buscaban comida y aquello, lo que ellas encontraron, no se come.
Pero lo cierto es que, como si llevaran un banquete escondido debajo de la ropa, la mamá e y la niña huyeron de allí muy rápido.



Aprender

Un niño que todavía no sabe escribir dice que odia a los padres.
Y quiere escribir eso en un papel: que odia a los papas.
Sabe algunas letras, pero todavía no sabe escribir. Pregunta a la mamá cómo se escribe el nombre de ella y del papá. La mamá le dice, deletrea, explica. Después el niño pregunta cómo se escribe los odio. La mamá vacila, pero después deletrea, explica, ayuda a dibujar las letras.



El caballo

Un caballo parado; preso a él una carroza parada. En la carroza, dos cuerpos con una cuerda al cuello y manos amarradas a la espalda. Están muertos.
Volvemos al caballo. Está parado. Aguarda alguna cosa.
Una orden, tal vez. Pero el caballo no entiende nada. Es muy estúpido.



Traducción: Sergio Astorga




Gonçalo M. Tavares nació en Luanda, Angola 1970. Desde 2001 publica en diferentes géneros literários. Ha sido traducido a más de 50 países. Premio José Saramago 2015.

Short Storis se publicó en 2011


No hay comentarios:

Publicar un comentario

No se aceptan comentaristas anónimos.